Porcelana quebrada

Cada passo que eu dou em direção ao passado

Trago lembranças fortes de pessoas sem alma

Lembro de tentar esquecer o que nunca  se apagará

e enraizar as dores, sofrimentos em magoas escondidas

Lavo as maos com força tentando limpar o que não posso

Alma carregada de espectros que ao mesmo tempo arrasta correntes

Busco quem exorcize os demonios que mancharam  essa infancia